40% das Indústrias brasileiras relatam falta de matéria prima: Importação como Solução

Dados do levantamento divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta semana apontam que quatro em cada dez indústrias brasileiras relatam escassez de insumos essenciais para a continuidade da cadeia produtiva e, portanto, são obrigadas a reduzir o volume de fabricação.

Os insumos mais importantes para a indústria brasileira são o aço e o plástico, segundo a pesquisa. E ambas as matérias-primas estão em falta no país. 

Algumas atividades são mais afetadas do que outras pela falta de matéria-prima no Brasil, segundo a pesquisa da FGV. É o caso das indústrias de bens duráveis, responsáveis pela produção de eletrodomésticos e automóveis, por exemplo.

Neste grupo, 70,1% das indústrias relatam escassez de insumos fundamentais para a continuidade produtiva – sete em cada dez fábricas.

A indústria siderúrgica do país encerrou o ano passado com desempenho dentro do previsto, com forte crescimento em volume produzido de aço bruto, de venda interna e consumo aparente, apesar da desaceleração dos indicadores no último mês do ano. Os dados são do Instituto Aço Brasil.

O desempenho mostrou-se também robusto nas vendas internas, que somaram 22,4 milhões de toneladas, 15% acima do volume de 2020. No ano da pandemia, o setor afetado no segundo trimestre, porém registrou forte venda de aço a partir de julho.

Também registrando recorde desde 2013, o consumo aparente (vendas locais mais importação) de produtos siderúrgicos foi de 26,4 milhões de toneladas, uma expansão de 23,2% na comparação com o ano anterior.

Foi um ano também de grande importação de material acabado — 5 milhões de toneladas, registrando crescimento de 144,1% ante o volume de 2020.

Com aumento da produção de aço no ano e acomodação da demanda doméstica — que ficou abastecida a partir de meados do ano com oferta interna e maior entrada de material estrangeiro —, as exportações voltaram a crescer. O volume do ano subiu quase 4%, somando 11 milhões de toneladas. Em divisas, somaram US$ 9,3 bilhões, maior 76,7%, beneficiadas pelo aumento dos preços no mercado internacional.

No quesito exportação, o Brasil voltou a embarcar mais produtos ao exterior, com a acomodação da demanda interna. Em dezembro, os volumes cresceram 74,9%, com 1,3 milhão de toneladas. Isso gerou divisas de US$ 1,2 bilhão — alta de 167,4% na comparação com mesmo mês de 2020.

As importações se mantiveram em expansão no mês, atingindo 309 mil toneladas, o que mostrou aumento de 49,9% sobre um ano antes.

Segundo informações do setor, há ainda muito material armazenado em portos brasileiros aguardando desembaraço alfandegário para ser liberado ao mercado interno. Isso deve ocorrer ao longo de 2022.

É possível ainda que novas medidas de incentivo à importação sejam tomadas por parte do Governo Federal, como através da redução da alíquota de importação para determinados produtos. 

Fonte: Xpoents

Notícias Relacionadas

Entre em contato conosco

Queremos saber como podemos ajudar você e sua empresa.